18/09/2018 - 08:44 | Economia

ECONOMIA

Para economistas, Copom deve manter Selic em 6,5% ao ano nesta semana

Para economistas, Copom deve manter Selic em 6,5% ao ano nesta semana

O Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central dá início nesta 3ª feira (18.set.2018) a sua 6ª reunião do ano. A expectativa geral dos economistas consultados pelo Poder360 é de manutenção da taxa básica de juros, a Selic, em 6,5% ao ano.

Se confirmada, essa será a 4ª vez consecutiva que o colegiado mantém a taxa no mínimo patamar histórico. A decisão final será anunciada nesta 4ª feira (19.set), após as 18h.

Para os economistas, há fatores que pressionam os juros para cima e para baixo. Acreditam, entretanto, que as expectativas controladas para inflação em 2018 e 2019 serão suficientes para justificar a manutenção da Selic em mais uma reunião.

Câmbio, atividade e inflação

Para os economistas, o principal item que poderia puxar a taxa de juros para cima é a forte valorização do dólar frente ao real, que acaba se refletindo sobre os preços.

Na semana passada, a moeda norte-americana bateu recorde desde a criação do Plano Real, em 1994, e fechou a 5ª feira (13.set) a R$ 4,19. Nesta 2ª feira (17.set), ficou em R$ 4,13.

Pelo outro lado, exerce pressão para baixo o fraco desempenho da atividade econômica. Segundo dados do IBGE, o setor de serviços recuou 2,2% em julho em relação ao mês anterior. No mesmo período, o comércio caiu 0,5% e a indústria 0,2%.

“A atividade está bastante fraca, há muita ociosidade, o desemprego está alto e os números que têm saído recentemente estão decepcionado bastante. As novidades não são boas no campo da recuperação do crescimento“, avalia Evandro Buccini, economista-chefe da Rio Bravo.

Ao longo do ano, o governo vem revisando sucessivamente suas projeções para o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) em 2018. Com a atividade econômica frustrando as expectativas, a previsão de 3% passou para 2,97% em março, 2,5% em maio1,6% em julho.

“O que está ajudando a manter a estabilidade dos juros é a inflação bem comportada. Vale destacar que as expectativas para o ano que vem também seguem favoráveis. Olhando só para este panorama, não há motivos para 1 aumento dos juros”, afirmou Silvio Campos Neto, economista e sócio da Tendências.

Analistas de mercado consultados pelo BC no Boletim Focus (íntegra) esperam que o IPCA, que mede a inflação oficial do país, termine o ano em 4,09% –abaixo do centro da meta do governo, de 4,5%, com 1,5 ponto percentual de tolerância para baixo (3%) ou para cima (6%). Para 2019, trabalham com 4,11%.

Eleições e próximos passos

Além de manter a taxa de juros, nas últimas reuniões o Copom preferiu não indicar tendências na condução da política monetária. Os economistas acreditam que, devido às incertezas causadas pelo processo eleitoral, essa será novamente a postura adotada.

“O BC não deve indicar os próximos passos porque as eleições dificultam a decisão sobre o que fazer. O que deve ocorrer é uma mudança na comunicação, para colocar essa questão do aumento do dólar e trazer alguma informação sobre 2019”, afirmou Buccini.

Os especialistas acreditam que, dependendo do desfecho da corrida presidencial, o Copom pode dar início a 1 novo processo de alta dos juros ainda neste ano. Hoje, a expectativa apresentada no Focus é de Selic em 6,5% ao ano em 2018 e de 8% no final de 2019.

“O risco é a pressão cambial se consolidar e haver desancoragem das expectativas para inflação. Isso pode ocorrer caso fique sinalizado que haverá mudança na gestão da política econômica. Esse cenário pode levar a 1 aumento da taxa já na próxima reunião, de outubro”, avaliou Campos Neto.

Entenda a Selic e o Copom

A Selic, definida durante encontros do Copom, é o principal instrumento do Banco Central de controle à inflação. Taxa média dos financiamentos diários, com lastro em títulos federais, ela vigora por todo o período entre reuniões ordinárias do comitê.

Quando a inflação está alta, o BC sobe a taxa básica de juros, aumentando o custo do crédito e a remuneração de investimentos em renda fixa. Esse movimento desestimula os gastos do consumidor e os investimentos das empresas, o que acaba aliviando a pressão sobre os preços.

Por outro lado, quando a inflação dá sinais de desaceleração, abre-se espaço para a redução da taxa de juros. Esse movimento tende a incentivar a atividade e o crescimento econômico.

O Copom é formado pelos membros da diretoria do BC. Seu principal objetivo é estabelecer as diretrizes da política monetária e garantir o cumprimento da meta de inflação, definida pelo CMN (Conselho Monetário Nacional). A reunião tem duração de 2 dias. No 1º dia é apresentada uma análise da conjuntura. No 2º, é definida a nova taxa básica de juros da economia.


voltar