06/06/2018 - 09:40 | Economia

SÍNTESE ECONÔMICA E FINANCEIRO DE MAIO 2018

No Brasil, resultado do PIB do primeiro trimestre confirma retomada lenta da economia doméstica .

O IBGE mostrou que o PIB doméstico cresceu 0,4% no primeiro trimestre em comparação com o mesmo período anterior. O resultado veio acima da nossa projeção (+0,2%) e do mercado (+0,3%). Analisando a abertura do dado pela ótica da oferta, houve crescimento disseminado em todos setores, sendo destaque a expansão marginal de 1,4% da agropecuária. Já o setor industrial perdeu ímpeto com alta de 0,1%, depois de ter crescido 0,7% no último trimestre do ano passado. Serviços tem mantido o ritmo moderado e cresceram 0,1%, repetindo a magnitude do período anterior. Pela ótica da demanda, consumo acelerou o crescimento para 0,5%, contra o quarto trimestre de 2017. Por sua vez, os investimentos apresentaram perda de fôlego, com alta de 0,6% na mesma base de comparação, após crescimento de 2,1% do período anterior. Além disso, exportações cresceram 1,3%, mas importações seguem num ritmo mais intenso com alta de 2,5% na margem. Assim, os dados do primeiro trimestre continuavam indicando uma trajetória de recuperação bem gradual da economia doméstica. No entanto, a paralisação ocorrida nos últimos dias, em todo território nacional, deverá ter um efeito importante sobre a atividade no mês de maio e junho, o que deve dificultar a leitura sobre a trajetória de retomada anteriormente mencionada. Ainda assim, anteriormente à paralisação, os indicadores mais recentes de maior frequência já passavam uma leitura menos dinâmica da economia doméstica. Assim, combinando ambos efeitos, nossa projeção para o PIB de 2018 foi revisado de 2,4% para 1,8%.

A prévia da inflação (IPCA-15) surpreendeu a expectativa do mercado. No mês de maio, o IPCA-15 apresentou variação de 0,14%, abaixo da nossa projeção e do mercado (ambas em 0,26%). Esse resultado também ficou abaixo do piso do intervalo de expectativa (0,20% - 0,47%). Em 12 meses, a inflação apresentou leve desaceleração, saindo de 2,8% para 2,7%, se mantendo abaixo do piso do intervalo da meta do Banco Central. No que concerne aos desvios em relação ao que projetávamos, as surpresas baixistas foram difusas. Destaque para as deflações mais intensas em alimentação fora de casa (-0,28%) e passagem aérea (-14,9%). Entre os itens que apresentaram uma aceleração da inflação, destaque para a alta de 0,76% no item de saúde e cuidados ocupacionais (reajuste nos preços dos medicamentos) e para a alta de 0,45% no item habitação (aumento das tarifas de energia). Quanto aos aspectos qualitativos do IPCA, a tendência foi de continuidade da moderação nos núcleos de inflação, enquanto a inflação de serviços apresentou deflação de 0,19% no mês. O índice de difusão ficou em 47,9%, permanecendo distante de sua média histórica (61,9%).

Nos EUA, o FED manteve o escopo da política, conforme o esperado. Em decisão unânime, a taxa de juros foi mantida entre 1,50% a.a e 1,75% a.a. No comunicado após a reunião, o FED se mostrou construtivo com relação ao crescimento econômico, especialmente no que tange ao desempenho do investimento. Apesar disso, a menção presente na última reunião de que o cenário construtivo havia se fortalecido nos últimos meses foi excluída do comunicado atual. Julgamos que essa exclusão deriva do menor crescimento do PIB no primeiro trimestre, não alterando a interpretação estrutural sobre a dinâmica da atividade. Na parte de inflação, o FED modificou sua interpretação sobre a evolução dos preços em 12 meses, ao mudar sua descrição de que a inflação passou de um patamar abaixo da meta de 2% para um patamar de próximo de 2%, devendo permanecer nesse nível nas próximas leituras. De acordo com o FED, os riscos em torno desse cenário seguem balanceados. Quanto aos dados econômicos, tivemos a divulgação dos dados de mercado de trabalho em abril. No mês, foram gerados 164 mil vagas de trabalho, abaixo do esperado pelo mercado (193 mil). A taxa de desemprego recuou de 4,1% para 3,9%, em virtude principalmente do menor número de pessoas no mercado de trabalho, com recuo da taxa de participação de 62,9% para 62,8%. Por fim, os salários recuaram inesperadamente de 2,7% para 2,6%. Avaliamos que os comunicados recentes do FED, bem como os dados mais recentes de atividade corroboram um cenário de continuidade da normalização dos juros. Portanto, acreditamos em três altas adicionais de juros nos EUA nesse ano.

Na Zona do Euro, os indicadores de confiança mantiveram a tendência de desaceleração. A prévia do PMI da indústria em maio ficou em 55,5 pontos, nível abaixo do registrado em abril (56,2) e da expectativa do mercado (56,1). O PMI de serviços, por sua vez, cedeu 0,8 p.p em relação ao patamar de abril, ficando em 53,9 pontos. O mercado esperava que o índice permanecesse em 54,7 pontos. No indicador composto tivemos uma desaceleração de 55,1 pontos para 54,1 pontos. Ao analisarmos a abertura por país, notamos que o recuo foi liderado por França e Alemanha, com recuos de 2,4 p.p e 1,5 p.p no indicador composto de atividade, respectivamente.  A ocorrência de greves e um número maior de feriados podem ter prejudicado a leitura do indicador em maio. Até o momento, a média do PMI composto no segundo trimestre é de 54,6. A continuidade da piora da confiança na região, indicando que a atividade está crescendo abaixo do seu potencial nesse primeiro semestre de 2018, implica na postergação do fim do programa de estímulos pelo BCE, até então programado para setembro. Ao contrário do esperado anteriormente, o BCE deverá prorrogar seus estímulos até o final desse ano.  

Na China, o PMI oficial da indústria cedeu em abril, mas ainda se manteve em patamar robusto.  Entre março e abril, o PMI cedeu de 51,5 para 51,4 pontos, com recuo nos componentes de novas ordens (de 53,3 para 52,9) e emprego (de 59 para 50 pontos). O componente de novas ordens para exportação, relacionado com a demanda global, também cedeu, saindo de 51,3 para 50,7 pontos. O setor de serviços, por sua vez, saiu de 53,6 pontos em abril para 53,8 em março, enquanto o PMI da construção permaneceu em patamar elevado (60,6 pontos). Os dados de confiança sugerem que o crescimento na China segue em um ritmo favorável, em linha com a expectativa de uma desaceleração suave da atividade ao longo de 2018. Após crescimento de 6,9% no ano passado, esperamos que a economia desacelere para 6,5% em nesse ano.

 

 
 

 

 

 


voltar