06/12/2017 - 15:25 | Economia

Saída de dólares do país supera entrada em novembro, diz Banco Central

Brasil registrou saída de US$ 636 milhões no mês passado. No começo de dezembro, mais US$ 965 milhões deixaram a economia brasileira.

A retirada de dólares no Brasil superou o ingresso em US$ 636 milhões no mês de novembro, informou o Banco Central nesta quarta-feira (6). O movimento foi registrado após dois meses de entrada de divisas na economia brasileira.

A saída de recursos do país continuou no começo de dezembro. No primeiro dia útil deste mês, mais US$ 965 milhões foram retirados do Brasil.

Notas de dólar (Foto: Reuters/Dado Ruvic) Notas de dólar (Foto: Reuters/Dado Ruvic)

Notas de dólar (Foto: Reuters/Dado Ruvic)

A entrada de dólares se dá quando investidores enviam dinheiro ao Brasil para aplicações financeiras ou investimento em empresas, por exemplo.

O dólar sai quando esses investidores retiram recursos do país e, normalmente, aplicam em outros países. Essas operações ocorrem por meio de remessas feitas por bancos contratados por esses investidores.

No acumulado deste ano, até 1º de dezembro, porém, o ingresso de dólares supera as retiradas em US$ 8,99 bilhões. No mesmo período do ano passado, US$ 1,83 bilhão havia sido retirado do Brasil.

Impacto no dólar

A saída de dólares favorece, em tese, a alta da moeda em relação ao real. Isso porque, com menos dólares no mercado, seu preço tende a subir.

Em novembro, porém, o dólar registrou estabilidade. No fim de outubro, a moeda norte-americana estava em R$ 3,27 - mesmo patamar do fim do mês passado. Nesta quarta-feira (6), por volta das 13h, operava ao redor de R$ 3,23.

Segundo analistas de mercado, além do fluxo de dólares, outros fatores influenciam a cotação da moeda, como o cenário político interno e externo e o processo gradual de alta dos juros nos EUA, que tende a atrair capital para aquela economia.

 

Nos últimos dias, o dólar tem refletido as movimentações do governo para tentar angariar apoio para a votação da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados.

Interferência do BC

Outro fator que influencia a cotação do dólar são as operações de swap cambial, que funcionam como uma venda futura de dólares, ou de "swaps reversos", que funcionam como uma compra de dólares no mercado futuro.

Nestas operações, o BC faz oferta de dólares para tentar controlar a cotação da moeda e impedir grandes oscilações. Além disso, essas operações servem para oferecer garantia (hedge) a empresas contra a valorização do moeda.

Recentemente, a autoridade monetária informou que, entre os dias 1º e 20 de dezembro de 2017, realizará venda, por meio de leilões, de contratos "swap cambial", tendo por alvo a rolagem do vencimento do dia 2 de janeiro de 2018 - que soma US$ 9,6 bilhões.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

 
 
MAIS DO G1

CCJ do Senado aprova projeto que endurece regras da saída temporária de presos

Entre outros pontos, proposta aumenta tempo de cumprimento mínimo da pena para que condenado possa solicitar o benefício. Texto ainda terá que ser votado pelo plenário do Senado. 

Vladimir Putin anuncia que será candidato à presidência da Rússia em 2018

Putin, 65 anos, está no poder desde 2000, se alternando entre o cargo de presidente e de primeiro-ministro. 

'Grande número' de tucanos não tem convicção da necessidade da reforma da Previdência, diz Goldman

Executiva nacional do PSDB se reuniu nesta quarta-feira (9) para debater reforma. Segundo Goldman, eventual fechamento de questão só será decidido após texto final e previsão de data para votação. 

'Grande número' de tucanos não tem convicção da necessidade da reforma da Previdência, diz Goldman

6 min

 

voltar