06/12/2017 - 15:11 | Economia

Renúncia fiscal trava nova política automotiva

Renúncia fiscal trava nova política automotiva

Renúncia fiscal trava nova política automotiva

MARIANA CARNEIRO
DE BRASÍLIA

06/12/2017 02h00

 

Os incentivos à inovação para a indústria automotiva não têm verba garantida no Orçamento do ano que vem.

A renúncia de R$ 1,5 bilhão em impostos é um dos temas centrais da atual discussão sobre o Rota 2030 –a nova política industrial para o setor automotivo em substituição ao Inovar-Auto, que expira no fim deste mês.

A menos de 30 dias para o fim do prazo, os ministérios da Fazenda e da Indústria discutem a pertinência do incentivo à inovação privada com recursos públicos.

A falta de previsão orçamentária para a renúncia fiscal foi alvo de queixa da indústria a Michel Temer, segundo o presidente da Anfavea (associação das montadoras), Antonio Megale. E colocou em dúvida a continuidade da política para o setor, iniciada em 2012. "Esse foi um dos pontos críticos que levamos ao presidente", afirmou Megale. "O presidente se comprometeu em manter a política para o setor."

O Mdic (Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços) defende que as empresas possam descontar em tributos o equivalente a até 2% do faturamento líquido caso cumpram despesas mínimas em pesquisa, parâmetro semelhante ao do Inovar-Auto.

Já a Fazenda critica o Inovar-Auto e afirma que o benefício não ampliou os investimentos em inovação além do que as empresas já fariam sem o estímulo.

Uma série de números dos dois lados estão sendo avaliados. O Mdic afirma que a eficiência dos veículos subiu em média 15,4% sob o Inovar, o que contribuiu para o menor consumo de combustíveis.

Na Fazenda, estão sob análise dados sobre o investimento efetivo em inovação entre 2011 (pré-Inovar-Auto) e 2014. Nesse período, enquanto a indústria brasileira (exceto automotiva) ampliou o gasto em pesquisa de 2,4% do faturamento para 2,7%, no setor automotivo houve um decréscimo de 2,8% para 2,1%.

O impasse está travando os últimos detalhes do Rota.

Se a ideia de manter o estímulo prosperar, outro problema se impõe: de onde virá o dinheiro para bancar a renúncia, uma vez que a conta não entrou no Orçamento e os gastos programados pelo governo já estão no limite do teto.

O Mdic sustenta que pretende praticar a mesma taxação efetiva dos automóveis nacionais do Inovar-Auto, com divisão por cilindrada. Ou seja, sem aumentar o imposto para cobrir a renúncia. O IPI varia de 7% (carro 1.0) a 25% (2.0 a gasolina).

SOBRETAXA

Para chegar à atual marca, porém, a proposta do ministério é aplicar uma sobretaxa de 15 pontos percentuais, que cairia de acordo com o cumprimento de exigências em quatro áreas: eficiência energética, segurança, pesquisa e inovação e etiquetagem, até o atual percentual do IPI.

A Anfavea identificou na fórmula o risco de terminar em um aumento de impostos e defende como alternativa o cumprimento de um pacote de exigências em cinco anos, assim como no Inovar-Auto.

"Se não tivermos um mecanismo mais simples, vamos ter dificuldades com o cumprimento das metas do Rota", afirma Megale.

 
 

Livraria da Folha


voltar