07/11/2017 - 14:16 | Economia

Meirelles diz que não recua e insiste que reforma da Previdência deve ser votada neste governo

Ministro negou que governo tenha desistido de aprovar o tema e afirmou que declarações de Temer na véspera indicam apenas “reconhecimento da realidade” de que as mudanças são impopulares.

Por Luísa Melo, G1

07/11/2017 12h41 Atualizado há menos de 1 minuto

Henrique Meirelles durante evento promovido pela Turnaround Management Association (TMA), em São Paulo. (Foto: Luísa Melo/G1) Henrique Meirelles durante evento promovido pela Turnaround Management Association (TMA), em São Paulo. (Foto: Luísa Melo/G1)

Henrique Meirelles durante evento promovido pela Turnaround Management Association (TMA), em São Paulo. (Foto: Luísa Melo/G1)

 

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta terça-feira (7) que não recua das previsões de aprovação da reforma da Previdência neste governo, de preferência ainda em 2017.

Ele negou que o governo tenha desistido de aprovar o tema e afirmou que as declarações dadas pelo presidente Michel Temer na véspera indicam apenas “reconhecimento da realidade” de que as mudanças nas regras da aposentadoria são impopulares.

"(O governo) não vai recuar", afirmou Meirelles.

“Eu acho que este ano seria o melhor. Agora, se por alguma razão não for, certamente será votado no ano que vem”, afirmou a jornalistas após evento promovido pela Turnaround Management Association (TMA), em São Paulo.

Meirelles acrescentou que acredita na aprovação ainda neste ano e que "vários líderes mostraram ontem que estão dispostos a trabalhar para que isso aconteça".

Resistência

O ministro reconheceu, no entanto, as dificuldades para aprovação. “É importante que se reconheça as dificuldades para poderem todos enfrentá-la”, afirmou.

Michel Temer disse na segunda-feira (6) durante reunião no Palácio do Planalto com líderes de partidos governistas na Câmara que continuará se empenhando pela reforma da Previdência, mas ressalvou que a proposta pode não ser aprovada "em todo o conjunto".

A reforma da Previdência sofre resistência na Câmara até mesmo entre parlamentares aliados do governo, para os quais somente será possível aprovar um texto "enxuto".

O colunista do G1 Valdo Cruz informou nesta terça-feira em seu blog que, após a reunião de segunda-feira com líderes da base aliada, a equipe do presidente Michel Temer fez o seguinte diagnóstico sobre a reforma da Previdência: não será mais aprovada no atual governo.

Assessores do presidente dizem que o governo se sente sozinho na batalha pela aprovação da reforma da Previdência. E que, hoje, o Palácio do Planalto não tem os votos para aprovar a proposta e isso ficou mais do que comprovado na reunião com os líderes.

 

A única possibilidade de uma votação da reforma neste ano seria, na visão de interlocutores de Temer, se a missão fosse abraçada também pelos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), empresariado e governadores.

 

 

 

 

 

 

 
Temer se aproxima de discurso realista sobre a reforma da Previdência, diz Camarotti

Temer se aproxima de discurso realista sobre a reforma da Previdência, diz Camarotti

'1º problema do próximo governo'

Meirelles reforçou que é necessário "enfrentar esse problema" para ajustar as contas nacionais.

"A reforma da Previdência idealmente deve ser votada neste ano. Se não der, tem que se enfrentar esse problema no próximo ano", afirmou.

Questionado sobre o que aconteceria se o texto não for aprovado, Meirelles disse que "espera que isso não aconteça" e que "não é a previsão". Segundo ele, a reforma da Previdência "seria o maior desafio e primeiro problema do próximo governo", caso não seja aprovada pelo governo Temer.

Meta de 2018 garantida

Meirelles disse que o orçamento e a meta fiscal de 2018 serão cumpridos independentemente da aprovação da reforma. A meta deste ano é de déficit de R$ 159 bilhões.

"A Previdência é muito importante, mas é um projeto de longo prazo, não é um projeto para 2018. O orçamento de 2018 será cumprido, o teto será cumprido, o orçamento será cumprido, a meta fiscal será cumprida", afirmou.

Ele destacou, porém, que a reforma é importante para evitar o crescimento da dívida pública para "trajetórias insustentáveis".

 
"Evita que a Previdência use cada vez mais o orçamento, impedindo, por exemplo, o investimento em educação, saúde e infraestrutura".

Projeto que altera lei de recuperação

Henrique Meirelles disse ainda que o projeto que deve alterar a lei de recuperação judicial e falências está sob análise técnica na Casa Civil e deve ser encaminhado ao Congresso “nos próximos dias”.

Segundo o ministro, as mudanças visam principalmente dar celeridade aos processos e incentivar a oferta de crédito às empresas antes do pedido de recuperação, o que deve ter “impacto positivo no emprego e na renda”.

O projeto altera a lei nº 11.101, em vigor desde 2005, que regula a recuperação judicial, a extrajudicial e a falência. O objetivo da lei é conferir maior segurança jurídica aos negócios firmados com empresas em recuperação.

 
38
comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

 
 

recentes

populares

  • Mrs Dias
     
    há uma hora

    Os políticos já sabem que se votarem próximo da eleição a favor desta reforma injusta e absurda da Previdência, que prejudicará a maioria dos trabalhadores e futuras viúvas que futuramente precisarem da pensão dos seus cônjuges falecidos, perderão milhões de votos, inclusive o meu!!! Querem a reforma, então comecem reformando as aposentadorias, regalias e salários faraônicos destes políticos!!!

     
  •  
     
 
MAIS DO G1

Sozinho, governo joga a toalha sobre aprovação da reforma da Previdência

Sozinho, governo joga a toalha sobre aprovação da reforma da Previdência

Trecho da BR-040, em Petrópolis, RJ, tem pista completamente interditada devido a deslizamento de terra

Erosão da pista aconteceu no km 81 da estrada no sentido Rio de Janeiro na manhã desta terça-feira (7). Desvio está sendo feito pelo km 80. 

Temer diz que insistirá com reforma, mas admite que, 'sozinho', não aprovará nova Previdência

Temer diz que insistirá com reforma, mas admite que, 'sozinho', não aprovará nova Previdência

Sia publica foto em que aparece nua após descobrir tentativa de vendas de cliques na web

Cantora postou no Instagram a imagem ao saber que estavam oferecendo a seus fãs imagens em que ela aparece nua.

Na Austrália, cobra captura morcego, mas não consegue devorá-lo; veja fotos

'Olho maior que a barriga', disse homem que capturou cobra para devolvê-la a mata.

Tribunal Federal aumenta pena de João Vaccari Neto em processo da Lava Jato

Processo tratava da denúncia apresentada pelo MPF de propina paga em esquema de corrupção na Petrobras para pagar serviços eleitorais. Ex-tesoureiro do PT já foi absolvido em outras duas ações.

Polícia apreende mercedes do chefe do tráfico no Morro do Salgueiro

Carro usado pelo traficante Thomaz Vieira Gomes, conhecido como 2N, custa mais de R$ 200 mil.

Confira as listas dos aprovados no concurso para agente e oficial da Polícia Civil do AP

Prova foi realizada no dia 10 de setembro. São 180 vagas de contratação imediata e mais 620 de cadastro reserva, com salários iniciais de R$ 4.139,53.

Moro marca audiências de processo sobre sítio de Atibaia na Lava Jato

Ex-presidente Lula e mais 12 pessoas são réus no processo; entre elas está o empreiteiro Marcelo Odebrecht e o pecuarista José Carlos Bumlai.

PF não consegue localizar prefeitos da Bahia alvos de operação por fraude em licitações

Após operação na manhã desta terça (7), polícia detalhou ação de organização criminosa em coletiva de imprensa; Justiça bloqueou bens e contas correntes deles.


voltar